quarta-feira, 26 de março de 2008

Mural da Chamadinha

Olá amigos, este é o mural da chamadinha.
Depois de ver quem é o ajudante do dia, o mesmo é responsável pelo mural do calendário e o do tempo, vai até a chamadinha e fecha as pétalas da flor onde está a foto de quem não está presente.













sábado, 22 de março de 2008

Livros e Infância

As histórias infantis como forma de consciência de
mundo

É no encontro com qualquer forma de Literatura que os homens têm a oportunidade de ampliar, transformar ou enriquecer sua própria experiência de vida. Nesse sentido, a Literatura apresenta-se não só como veículo de manifestação de cultura, mas também de ideologias.

A Literatura Infantil, por iniciar o homem no mundo literário, deve ser utilizada como instrumento para a sensibilização da consciência, para a expansão da capacidade e interesse de analisar o mundo. Sendo fundamental mostrar que a literatura deve ser encarada, sempre, de modo global e complexo em sua ambigüidade e pluralidade.

Image Hosted by ImageShack.us

Faixa etária Textos Ilustrações Materiais
1 a 2 anos As histórias devem ser rápidas e curtas Uma gravura em cada página, mostrando coisas simples e atrativas visualmente Livros de pano, madeira, e plástico. É recomendado o uso de fantoches
2 a 3 anos As histórias devem ser rápidas, com pouco texto de um enredo simples e vivo, poucos personagens, aproximando-se, ao máximo das vivências da criança Gravuras grandes e com poucos detalhes Os fantoches continuam sendo o material mais adequado. Música também exerce um grande fascínio sobre a criança
3 a 6 anos Os livros adequados a essa fase devem propor vivências radicadas no cotidiano familiar da criança. Predomínio absoluto da imagem, sem texto escrito ou com textos brevíssimos. Livros com dobraduras simples. Outro recurso é a transformação do contador de histórias com roupas e objetos característicos. A criança acredita, realmente, que o contador de histórias se transformou no personagem ao colocar uma máscara.
6 ou 7 anos (fase de alfabetização) Trabalho com figuras de linguagem que explorem o som das palavras. Estruturas frazais mais simples sem longas construções. Ampliação das temáticas com personagens inseridas na coletividade, favorecendo a socialização, sobretudo na escola.

Image Hosted by ImageShack.us

Ilustração deve integrar-se ao texto a fim de instigar o interesse pela leitura. Uso de letras ilustradas, palavras com estrutura dimensiva diferenciada e explorando caráter pictórico. Excelente momento para inserir poesia, pois brinca com palavras, sílabas, sons. Apoio de instrumentos musicais ou outros objetos que produzam sons. Materiais como massinha, tintas, lápis de cor ou cera podem ser usados para ilustrar textos.

© 2005 - Todos os direitos reservados. Para cessão de direitos, entre em contato com

infantil@graudez.com.br.

Fonte:
CRISTIANE MADANÊLO DE OLIVEIRA. "LIVROS E INFÂNCIA" [online]
Disponível na internet via WWW URL: http://www.graudez.com.br/litinf/livros.htm
Capturado em 23/3/2008

quinta-feira, 13 de março de 2008

Minha salinha...

Olá amigos aqui vai um pouquinho da minha sala para vocês darem uma olhadinha...

Este calendário confeccionei em EVA, usei fita adesiva colorida para ser as linhas divisórias e para fixar os dias usei velcro adesivo esse velcro é muito prático pois basta retirar a fita que ele é auto-adesivo.



























Para guardar os quadradinhos dos dias usei uma garrafa Pet:





































Mural do tempo:






















Centopéia do alfabeto., coloquei uma plaquinha com o nome dos alunos junto a sua letra inicial:




















Mural do ajudante do dia:

Para determinar quem é o ajudante, vou por ordem alfabética usando a plaquinha do seu nome que está na centopéia. Sempre estimulando as crianças a perceberem a ordem do alfabeto e as iniciais dos nomes dos colegas, assim como as letrinhas em que não tem nenhum colega que tenha o nome iniciado com determinada letra. O ajudante também é responsável pelos calendários.


























Compare os preços: Alfabetos para parede. BuscaPé.

segunda-feira, 3 de março de 2008

Teatro de Páscoa





















Teatro de fantoches para Páscoa

Bonecos: coelho. ovelha (e menino ou menina, caso queira colocar o boneco ao invés do professor)

Narrador: Professor ou professora que conversa com os bonecos

Objetivo: Mostrar o verdadeiro sentido da Páscoa

Versículo: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” João 1: 29

Vamos proclamar ao mundo inteiro!

O professor ( ou fantoche de criança) entra, cumprimenta as crianças e enquanto fala entra o coelho entra cantando alguma música de páscoa, por exemplo: coelhinho da páscoa que trazes...

O professor vê o coelho e fala com ele:

Professor :Olá, coelhinho. Como vai?

Coelho: Estou super feliz.

Professor: É estou vendo! Mas por que essa alegria toda?

Coelho: Ué, tio. Só você que não sabe?

Professor: O que eu não sei?

Coelho: Que está chegando o grande dia! O mais importante dia do ano.

Professor: Ah! Você deve estar querendo dizer que vai ser o seu aniversário.

Coelho: Não, não. É melhor que isso.

Professor: Melhor que isso?

Coelho: É o dia mundial dos coelhos.

Professor: Eu não sabia que existia isso!

Coelho: É professor! É a páscoa!

Professor: Ah., bem. Então acho que você é que está enganado.

Coelho: Enganado, eu? Por quê?

Professor: Sabe, você precisa saber o que é de verdade a páscoa. Os coelhos são mesmo animais muito lindos...

Coelho: Obrigado. Você tem razão.

Professor: É verdade. Mas as pessoas inventaram essa história de coelhos e chocolate para que pudessem vender bastante na festa da páscoa.

Coelho: Epa! Que tem os meus ovos haver com isso?

Professor: Coelho, veja bem: Você, ou a dona coelha, botam ovos?

Coelho: Não. Mas são ovos especiais de chocolate.

Professor: Tudo bem. Vocês botam ovos de chocolate?

Coelho: Não.

Professor: Coelho, não fique triste. Podemos gostar de coelhos e até de comer chocolate. Mas é muito bom quando sabemos a verdadeira história da páscoa.

Coelho: Taí! Isso eu quero saber.

Professor: Há muitos anos atrás o povo de Deus, chamados os israelitas ou hebreus estavam escravizados em um país que não era o deles: o Egito.

Coelho: Ser escravo é muito ruim. Eu nunca quero ser escravo de ninguém.

Professor: Você tem razão. Deus também não quer que soframos como escravos. Por isso Ele enviou um homem chamado Moisés para libertar as pessoas da escravidão.

( Se quiser pode ir mostrando as gravuras da história para as crianças e para o coelho)

Professor: Eram milhares de pessoas escravas ali. Deus mandou 10 pragas terríveis para que Faraó visse poder dEle e libertasse as pessoas.

Coelho: Ei, essa história eu já ouvi. Mas é bom lembrá-la de novo e ver o que isso tem haver com a páscoa.

Professor: Está bem. Quando finalmente Faraó falou que o povo poderia ir embora Deus disse que esse era um dia muito especial e deveriam fazer uma festa. Nesta festa eles já estariam vestidos para a viagem, deveriam comer pães sem fermento, ervas amargas e assar um cordeiro.

Coelho: Isso era a festa?

Professor: Sim. Para eles era uma grande comemoração. Eles ficaram como escravos por 400 anos, e agora estavam livres! Deus disse: Todo ano vocês vão comemorar essa festa que se chama Páscoa.

Coelho: Só não entendi porque cordeiro? Achei que seria coelho.

Professor: Para eles o cordeiro era muito importante. Deus os tinha ensinado, que cada vez que alguém pecasse não poderia se aproximar dEle, pois Ele é Santo e não pode chegar perto do pecado. Era preciso cada matar um cordeiro como se ele morresse no lugar da pessoa levando embora seus pecados.

Coelho: Que difícil. Coitado dos cordeiros.

Professor: Sim. Mas seria pior se cada pessoa morresse quando pecasse!

Coelho: Então essa é a Páscoa?

Professor: Sim , mas existe uma nova páscoa. Muitos anos depois, quando o Filho de Deus, Jesus, veio a esse mundo Ele ensinou uma nova maneira de comemorarmos a Páscoa.

Coelho: O próprio Filho de Deus? Ele nos ensinou outra maneira de festejar a páscoa?

Professor: Outra maneira e outro motivo. Antes era comemorada a festa da Páscoa somente pelos judeus que lembravam que um dia eles tinham sido escravos mas ganharam a liberdade.

Coelho: É mesmo. Livres do Egito.

Professor: Muito bem! A Bíblia nos ensina a comparar o Egito com as coisas deste mundo que nos fazem ficar longe da vontade de Deus. Jesus veio a esse mundo nos libertar do pecado que nos leva a morte. A Bíblia diz que o salário do pecado é a morte, e Deus não quer que sejamos castigados sendo pra sempre escravos do pecado que nos levará a morte.

Coelho: Quer dizer que todas as pessoas são escravas do pecado e um dia poderão morrer e ficar pra sempre sem Deus?

Professor: Isso mesmo! Como você é esperto. Todos somos pecadores, mas Deus nos ama tanto que foi por isso que mandou um Cordeiro especial que pode tirar o pecado de todas as pessoas, em todas as épocas e lugares.

Coelho: Que cordeiro tão poderoso é esse? Espera aí que tenho aqui um amigo que quero que ouça isso.

(Entrar a ovelha, que chega fazendo: Bé, bé. )

Coelho: Veja, professor, tenho um amigo cordeiro. Foi ele o cordeiro especial?

Professor: (Depois de cumprimentar o cordeiro diz) Não. Era preciso que fosse uma pessoa de verdade. Mas uma pessoa que nunca pecou.

Coelho: Isso é impossível!

Ovelha: Bé, bé!

Professor: Você tem razão. Para nós seria impossível. Foi por isso que Jesus veio e se tornou humano como nós. Um Humano que ao mesmo tempo é Deus e que nunca pecou.

Coelho: Viva! Como gosto de finais felizes!

Professor: Sim será feliz, mas lembre-se que era preciso matar o cordeiro.

Coelho: Você quer dizer que ... Ele vai morrer?

Ovelha: Béééé... (tristonho)

Professor: Sim. O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo foi castigado no nosso lugar. As pessoas o sacrificaram numa cruz.

Cordeiro: Por que tinha que ser assim?

Ovelha: Bé?

Professor: A Bíblia diz que “Sem derramamento de sangue não há perdão” (Hb. 9:22 b). Era necessário que fosse assim. Mas não fiquem tristes. Ele ressuscitou depois de 3 dias de estar morto.

Coelho: Ele é mesmo poderoso! Como alguém vence a morte? Só mesmo sendo Deus!

Ovelha: Bé, bé!

Professor: Sabe o que foi isso? A nova Páscoa. Antes de morrer Jesus falou que já não era pra comemorar a libertação do Egito mas sim todos nós devemos comemorar nossa libertação do pecado que nos leva a morte.

Coelho: Essa páscoa é muito melhor! Porque ta todo mundo sendo enganado?

Professor: É que existe o inimigo de Deus que quer que todos esqueçam, ou nem saibam o que é a verdadeira Páscoa.

Coelho: Mas eu também quero ajudar a contar a verdade. Será que todos aqui poderiam ajudar a fazer o mesmo?

Professor: Vocês podem nos ajudar contando a todos sobre a verdadeira Páscoa?